A videira espiritual

“Eu sou a videira verdadeira, e meu Pai é o agricultor. Todo ramo que está em mim e não dá fruto, ele o corta; e todo ramo que dá fruto, ele o limpa, para que dê mais fruto. Vós já estais limpos, por causa da palavra que vos tenho falado. Permanecei em mim, e eu permanecerei em vós. Como o ramo não pode dar fruto por si mesmo, se não permanecer na videira, assim também vós não podeis dar fruto, se não permanecerdes em mim. Eu sou a videira e vós os ramos.” Jo 15, 1-5

Quando nos mudamos para a nova sede do Propedêutico, na casa das irmãs salesianas na Vila Góis, uma das primeiras plantas que me chamou a atenção foi a videira. Inculta, a meses sem trato, rega ou poda, via-se desfolhada e abandonada. Como na última florada não se tinha podado, provavelmente não tenha dado frutos. Se tivesse também os animais selvagens – gambás e micos – os teriam devorado.

Seus rebentos, mortos e secos, estendiam-se por todo o canto, sem ordem ou coerência. Desciam pelo muro, chegando a atingir a área externa da casa. Pela minha falta de conhecimento sobre a espécie, ou talvez pela impressão que ela mesma passava de si, imaginei que para aquela videira o tempo já se tinha esgotado. Dei-lhe de imediato minha sentença. Não viverá.

Mas, num dia como qualquer outro. Visitou-nos um nobre e distinto senhor. O mesmo que havia, a vinte anos, plantado aqui essa mórbida videira. Disse-nos o senhor: “basta que a podemos com muito amor, com cuidado e zelo. E, depois de regá-la com abundância, ela se desenvolverá e dará belos frutos, vocês verão isto!” Pôs-se então a podá-la. Cortava cada rebento seco, tirava-lhe todas as folhas e guias, cortava, cortava e cortava… Quando não restava mais nada além de seu tronco de pé e alguns poucos ramos grossos e secos atados ao estaleiro, o senhor nos disse, com um largo sorriso: “Pronto! Agora é necessário que vocês cuidem dela, regando-a todos os dias.”

Nessa hora entrou em cena mais uma vez a minha falta de fé. Via aquele troco seco, sendo sustentado de pé por alguns poucos galhos, finos e secos igualmente. Não tinha a mínima esperança de que veria prosperar aquela parreira, ou aqueles seus restos que sobraram da poda. “Esse senhor deve estar brincando comigo. Fez morrer o que já estava morto. Como ‘isso’ reviverá?” pensava incrédulo e decepcionado em meu coração. Mas decidi dar-lhe ouvidos e, por obediência, seguir suas recomendações. Todos os dias, pela manhã e pela tarde, ocupava-me em colocar uma mangueira de água aos pés da videira, para que durante trinta minutos gotejasse e assim deixasse bem húmido o solo.

A cada dia que desempenhava essa tarefa mais morria, em meu coração, a esperança de ver aqueles mortos e secos galhos, verterem-se em vivos rebentos e verdejantes folhagens. Findando-se o semestre letivo, saímos de férias, não antes de realizar o sagrado ritual da rega da videira. Ficamos sete dias em uma chácara, descansando e nos refazendo para retomar a jornada. Sem se quer nos lembrarmos de nossa moribunda e debilitada plantinha que ficara em casa. Mas, talvez para contrariar-me e formar-me, ao retornar para a casa notei com espanto o desenvolvimento acelerado que teve a mesma nesses poucos dias.

Seus rebentos se espalhavam por todo o estaleiro, suas folhas, verdes e viçosas, tomavam conta de toda a parte. Aquela inculta videira, que depois tinha-se tornado em um morto tronco e poucos galhos secos, mudara-se em uma vívida, verdejante e frondosa planta. O verde de suas folhas devolvia aos meus olhos a esperança e seus pequenos cachos de uva, a já se formarem numerosos, como que afrontavam minha incredulidade e desprezavam minha incerteza.

Mas, por que seria tão importante esse fato? Ao contemplá-lo e meditar acerca dele. Consegui retirar para minha vida espiritual muitas lições. A qual gostaria de partilhar com você, caro leitor. Eu sou a videira inculta. Que, largada e desprezada, verteu-se em uma relva selvagem, disforme e desprezível. Escolhendo fechar-me aos cuidados de Deus, me via no início da formação exatamente desta forma. Mas, mesmo que alguém ao contemplar-me dissesse como eu mesmo: “Não tem mais jeito!”  O bondoso Senhor não desistiu de mim.

Com amor, transplantou-me a sua vinha. Plantou-me em solo fértil. Podou-me e continua a podar-me, com ímpeto e veemência, ainda que a redução a alguns poucos galhos seja por vezes dolorosa. Tem purificado meus troncos. Retirando os rebentos desnecessários que drenam a seiva da minha intimidade com Ele. E tem regado a mim, dia após dia. Dedica, não trinta minutos de seu tempo, mas vinte e quatro horas em fornecer a esta pobre videira tudo que precisa para se desenvolver.

Imagino agora às vistas do bondoso Senhor. Será que ele já contempla em mim verdes e novos rebentos? Será que está ansioso por, no tempo certo, colher de mim os frutos? Será que espera com ânsia por aquilo que virá após tão gentil e doce trato para com esta sua videira?

Certamente sim!

Cabe a mim, como coube somente à minha videira, assimilar os cuidados que tenho recebido. Absorver a água fria e abundante do conhecimento que tenho recebido, receber a dura e impetuosa poda que me liberta e protege. E depois de ter assimilado tudo isso, mudar-me em uma frondosa e viva videira. Com abundantes e doces frutos. Que acolhe e nutre a muitos. E que, com o “verde” de suas boas obras, devolve a esperança aos olhos daqueles que já a tinham perdido. Cabe ainda lembrar que a videira, apesar de ter se desenvolvido por suas forças, não o faria se não tivesse quem a cultivasse. Ou seja, nada disso valerá a pena, caso minha existência como doce e viva videira, não sirva para testemunhar o zeloso e cuidadoso agricultor que tem me formado a cada dia.

“Podai-me Senhor, ainda que doa. Regai-me Senhor, com vossa sabedoria. Protegei-me Senhor, dos animais selvagens que me rodeiam – e daquele que vive dentro de mim. E dai-me a graça, Senhor, de produzir bons e doces frutos, no tempo certo. Não por essa simples e pobre videira, mas para testemunhar o seu zelo amoroso e sua presença Redentora e perene em meio a vossa vinha!”

Per Ipsum, cum Ipso et in Ipso!

Marcos Santana, ano propedêutico.

compartilhe

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on telegram
Telegram

deixe um comentário

%d blogueiros gostam disto: